Coração Apertado

Abro a cortina
O sol queima a retina
Choro calado, sonho acordado

minha cara de preocupado
fico puto quando levanto atrasado
E não tenho nada pra fazer.

é bonita, quando não me vê
digo, não acredita
Fecho os olhos vejo você

Rindo, até ilumina
Meu sorriso amarelado
De café e nicotina,
não minto ao seu lado

Tranco de novo
Lâmpada fluorescente
Ilumina o quarto
Desligo a tv, o filme, pausado.

Jaqueta de couro
Sapato fechado
Calça jeans,
Meu coração apertado

Manda um telegrama
Marca um programa
Liga, chama.

Esquece de novo,
Espero você.

Só por você.

Por você eu largo o copo
te levo no colo
te carrego pra onde quiser

Só por você eu largo a boêmia
troco a noite pelo dia
trabalho de sapato e terno
só se você quiser

Se você quiser não tem Brahma
nem copacabana
nem carnaval
largo tudo, se você quiser!

Um Amor de Malandro.

Um outro malandro da cidade
Veio me dizer que o amor acabou
Que  ficou procurando até  tarde
Nas ruas, sambas e boates
e não encontrou.

Eu queria discordar
Mas o amor que quero encontrar
Ainda não me achou.

Não sei se procuro errado
Choro calado
Passo as noites acordado
Escutando Jorge Ben.

Não ama porque é malandro?
Ou é malandro porque nunca amou ninguém?

Mas o que, que tem?
Se todo mundo tem,
Os malandros querem amar também.

Quatro Urubus

Quatro urubus engravatados saltam

De um taxi fretado e pago pela união

 

Eles querem comer carniça

Com dinheiro de quem precisa

E não tem nenhum tostão

 

São só mais quatro abutres

Impunes aclamados e salvos

Pelo seu deus pagão.

 

São vampiros, bandidos

Se alimentam do sangue

Vermelho tinto, banhado de sol,

poeira e carnaval.

Boa noite

Boa noite,
ela me disse antes
de fechar a porta.

Eu espera um bom dia
talvez um boa tarde.
mas nunca um boa noite.

Na noite que a gente se conheceu
na noite que a gente se perdoava
na noite a gente se esquentava

E na noite ela se despediu.

Justo naquela noite?
que eu tinha novidades,
queria matar saudades,
fazer viagens.

Mas ela partiu.